Saiba aqui como a Wyser pode ajudar a sua empresa em Employer Branding.

O Employer Branding é um assunto cada vez mais discutido na atualidade, mas que, no entanto, já há vários anos que é um tema presente na área de recursos humanos. Com a transformação digital, passou a ter um papel mais transversal para a organização,  já é um trabalho conjunto com outras áreas, como marketing ou comunicação empresarial.

Como se define este conceito? O Employer Branding é a ferramenta utilizada pelas organizações para apresentarem e promoverem de forma atrativa e sustentada a sua marca, valores e posicionamento enquanto empregador. Representa, desta forma, a reputação que a marca enquanto empregador tem no mercado, ou seja, a sua Employer Brand.

Consequentemente criar uma estratégia eficaz de Employer Branding passa a estar no top of mind de qualquer empresa que queira ser uma referência no mercado, na atração e retenção dos melhores talentos.

Nos dias de hoje, não só é preciso comunicar a oferta de serviços e produtos que a empresa tem, mas também a sua cultura organizacional, os seus valores e a sua proposta de valor enquanto empregador (Employee Value Preposition – EVP).

A EVP de uma organização, segundo estatísticas deve incluir detalhes sobre salário e benefícios, work-life balance, estabilidade profissional, ambiente no local de trabalho, formação e progressão de carreira.

O posicionamento/poder de uma marca pode ser analisado em duas perspectivas: Do ponto de vista Interno – o que dizem os colaboradores atuais sobre a organização; e do ponto de vista Externo – através de estudos de mercado que avaliam quais os melhores locais para trabalhar como “Great Place to Work”, “Revista Exame”,etc e através da Candidate Experience de potenciais colaboradores.

Falemos da vertente Externa – Sabia que para 78% dos candidatos, a “Candidate Experience” num processo de recrutamento, é indicativa de como as empresas valorizam os seus colaboradores? Num momento de grandes movimentações no mercado, este tópico sem dúvida que merece a nossa atenção.

No entanto, embora exista um awareness cada vez maior acerca da importância da reputação de uma organização no mercado, um estudo da CareerArc indica que não só cerca de 60% dos candidatos têm uma má “candidate experience”, como 72% acabam por comunicar a sua opinião numa rede social ou pessoalmente. – Isto leva-nos a querer que este é ainda um assunto desvalorizado.

Estudos indicam também que 64% dos candidatos com uma má “Candidate Experience” ficam menos inclinados a consumir produtos ou serviços vindos dessa empresa. Percebemos agora que estes tópicos não têm um peso meramente reputacional mas que podem representar um risco operacional para as empresas, a partir do momento em que a experiência de um candidato pode influenciar a performance das mesmas.

Existem algumas empresas que já se tornaram uma referência, e que os tópicos acima indicados já integram a sua estratégia. A Worten (SONAE) – destaca-se pelas estratégias de formação, a Vodafone – pelas boas práticas nos processos de recrutamento.

Assim podemos concluir que a definição da estratégia de employer branding é não só fundamental enquanto prática de Recursos Humanos, mas também um pilar estratégico para o posicionamento e sucesso das organizações, havendo necessidade de a comunicar de forma efetiva e imparcial. Os exemplos acima demonstram que esta vertente já é valorizada e quem não a tornar parte da sua estratégia, poderá ficar esquecido. Deixamos-vos uma última estatística que realça definitivamente a importância da imagem e reputação de uma empresa no mercado – 92% consideraria mudar o seu posto de trabalho se recebesse uma oferta de uma organização com uma excelente reputação empresarial. E no seu caso, qual será a sua estratégia para o mercado?

 

André Salgueiro
Manager
Engineering and Industry at Wyser Portugal