Vários artigos têm sido escritos sobre este tema até pela mudança de paradigma que temos vindo a assistir. O novo paradigma, como refere Anabela Possidónio, Diretora Executiva do The Lisbon MBA, surge também da consciencialização de que o conhecimento técnico sendo fundamental não é suficiente. E que é então a “capacidade de transformar esse conhecimento numa visão, que inspira equipas e que as motiva para uma implementação de excelência”. Tal é também confirmado pela revista HR Portugal que refere que “de acordo com vários estudos europeus, quase metade dos jovens recrutados têm maus resultados nos primeiros 18 meses de trabalho e apenas 11% dos insucessos se devem à falta de hard skills”.

Importa referir que a identificação das soft skills desejadas num futuro colaborador são o grande desafio actual em qualquer processo de recrutamento, uma especialista em recrutamento precisa de conhecer por dentro o ADN da empresa, e mais especificamente a dinâmica da equipa em que o profissional estaria inserido assim como a sua chefia direta. Isto irá permitir na altura de identifica os profissionais mais adequados para a empresa em questão, todas as empresas têm estruturas distintas e gestores distintos que procuram a minha adequação a sua realidade. No passado a adequação técnica era suficiente, mas o turnover por questões ligadas a falta de identificação, motivação e engagement alertaram-nos para uma mudança nas relações profissionais.  

É igualmente importante perceber que responsabilidades este profissional terá, pois se o objetivo for a dinamização uma área, reestruturação, desenvolvimento de novos negócios, entre outros, estas informações terão também impacto na identificação dos candidatos alinhados em termos da sua predisposição/motivação e valores, não obstante, a importância de certas hard skills. Em paralelo, o momento em que a empresa se encontra também tem impacto, ou seja, se é uma start up, uma multinacional consolidada no mercado, uma empresa em forte crescimento, empresa familiar ou em reestruturação, demarcará as soft skills que o novo colaborador deve ter (nomeadamente resiliência, capacidade de adaptação, empreendedorismo, propensão ao risco, etc.). E claro, de elevada importância, a posição na empresa que estamos a falar, por exemplo, se é uma posição de Liderança (e qual o estilo de liderança pretendido e que contexto em termos de equipa este profissional irá encontrar) e em que área funcional estamos a trabalhar.  

Dito isto, as soft skills são desenvolvidas através da experiência pessoal e das vivências, a componente inata é subjacente mas difícil de identificar. No contexto actual existem algumas que são fundamentais para as exigências do mercado e a rapidez com que tudo muda e/ou se transforma.  Espírito crítico, empatia, espírito colaborativo, proactividade, resiliência, orientação para resolução de problemas, capacidade de adaptação, foco em objectivos/resultados, gestão de tempo/prioridades, e uma das mais relevantes, inteligência emocional (especialmente para posições de liderança). Algumas destas soft skills foram também identificadas pela revista HR Portugal, que também analisou os estudos realizados pela empresa norte-americana Instructure sobre que soft skills os DRHs privilegiam (incluindo a ética entre as anteriormente ditas) e partilhando ainda os artigos do Dr. Ricardo Florêncio sobre as soft skills do futuro.  

As hard skills não estão descuradas, contudo as soft skills podem sem dúvida fazer diferença na altura da seleção de um candidato pois são mais difíceis de desenvolver e com a existência de determinadas soft skills (p.e. capacidade de adaptação, orientação para resolução de problemas, espírito crítico, resiliência) as “menos valias” técnicas são seguramente ultrapassadas.  No processo de recrutamento do candidato, a Wyser tem trabalhando com os seus clientes e sugerindo ao mercado para identificação de algumas das softs skills, a utilização de métodos como, entrevista biográfica, entrevista por competências, business cases, role plays, e, claro, check up fundamentado com as referências profissionais.

 


Isaura Devesa
Team Leader
Finance & Accounting – Wyser Portugal